3 de maio

Largado por Zoto | largados comentaram ( 13 ) | Visualizações: 94


13 respostas para “TRIBUNA LIVRE”

  1. Anônimo disse:

    B.B. diz que toda vez que solta o rego tem que fazer chuveiro para sair a catinga.

  2. Anônimo disse:

    Craqueiro los angeles, mais de 4 mil em barracas espalhadas
    por um dos bairros, horror a céu aberto.

  3. Máximo Ternura disse:

    Conta uma do Contra-mestre.

  4. Anônimo disse:

    Talvez como o Cumpadi, tenha nos deixado.
    Saudades do Cumpadi e em sua homenagem.
    Ao passar pela velha porteira
    Senti minha terra mais perto de mim
    De emoção eu estava chorando
    Porque minha angústia chegava ao fim
    Eu confesso que era meu sonho
    Rever a fazenda onde me criei
    Não via chegar o momento de abraçar de novo
    Meu querido povo que um dia eu deixei
    Que surpresa cruel me aguardava
    Ao ver a fazenda como transformou
    Quase todos dali se mudaram
    E a velha colônia deserta ficou
    Os amigos que ali permanecem
    Transformaram tanto que nem conheci
    E eles não me conheceram e nem perceberam
    Que os anos passaram e eu envelheci
    E você, minha velha porteira
    Também não está como outrora deixei
    Seus mourões pelo tempo roídos
    No solo caídos também encontrei
    Já não ouço as suas batidas
    Seu triste rangido lembranças me traz
    Porteira na realidade, você é a saudade
    Do tempo da infância que não volta mais
    Artista: Lourenço & Lourival

  5. Anônimo disse:

    Ademir da Guia-ídolo inesquecível, até…..

    Ademir da Guia
    Ademir impõe com seu jogo
    o ritmo do chumbo (e o peso),
    da lesma, da câmara lenta,
    do homem dentro do pesadelo.

    Ritmo líquido se infiltrando
    no adversário, grosso, de dentro,
    impondo-lhe o que ele deseja,
    mandando nele, apodrecendo-o.

    Ritmo morno, de andar na areia,
    de água doente de alagados,
    entorpecendo e então atando
    o mais irrequieto adversário.

    Duvido de que alguém saiba de quem é esse poema, pois é do autor do Ato da Compadecida.

  6. Anônimo disse:

    Se até o Zoto viu o Ademir em campo, imagina o Vital, Guerreiro do Povo Brasileiro , Masculino e o Superior, eram fãs de carteirinha.

  7. Anônimo disse:

    Certa vez eu fiz um poema em relação ao retirantes e que se aplica muito bem aos dias de hoje.
    Os das terras que partem sem rumo
    A procura de um mundo melhor
    Vá pensando que lá fora o mundo
    de escravo de fará senhor.
    das estórias que ouviras contar
    dos que nunca jamais regressaram
    e por não regressaram contaram
    pros que nunca jamais regressar.

    Não me lembro de mais, se tinha mais, só esta parte me veio da memória.

  8. Anônimo disse:

    Zoto ia em que companhia do Rogério Dedos Grandes seu amigo
    do Coro.
    Zoto diz que no Pacaembu, quando o verdão entrava o rádio
    anunciava um a um
    Ex.: Leão, a torcida vibrava enquanto, se o jogo fosse com o Timão, a torcida corintiana ficava com um tambor incessante
    o tempo todo; Corinthians TUM-TUM-TUM.

  9. Jóia disse:

    Minhas anteninhas estão detectando muita boiolagem no ar.

  10. Jóia disse:

    1-Quer dizer que o B.B. é uma viada bem limpinha é, então é
    por isso o seu sucesso com os bofes, cheirosa, danada.

  11. zoto disse:

    Elefante Branco de tarja preta
    É o Basco, mandando jogo na Arena Manauara.


    Partiu Manaus, diz o guarda-redes Corintiano!

  12. anônimo disse:

    Picuinhas. Só pode.
    Como pode o Vasco que tinha o mando de campo , transferir o jogo
    de sua torcida e do maracanã, pois o embate assim o exigia, para Manaus , um dos estádios construídos para a copa do Lula e que vive
    as moscas.

  13. anônimo disse:

    5- Te peguei com as calças na mãos.
    O poema não é de Ariano Suassuna e sim de João Cabral de Melo Neto, propositadamente ou não, está é a resposta.

Largue aqui